Letras (parte 2)

Ai vão mais 9 músicas tiradas do acervo do frevo e cia, semana que vem tem mais letras pra vocês> Aproveito esse Post pra Desejar um Feliz ano novo a todos, muita saúde e sucesso, e claro que em 2009, que o frevo mais uma vez embale o coração e a paixão das pessoas. Nos vemos em 2009 paz e alegria a todos.

Recife N.1
(Antônio Maria)

Ô, ô, ô, ô saudade
Saudade tão grande
Saudade que eu sinto
Do Clube das Pás do Vassouras
Passistas traçando tesouras
Nas ruas repletas de lá
Batidas de bombos
São maracatus retardados
Chegando cidade cançados
Com seus estandartes no ar
Que adianta se o Recife está longe
E a saudade é tão grande
Que eu até me embaraço
Parece que eu vejo
Walfrido Cebola no passo
Aroldo Fatia Colaço
Recife está perto de mim.

Último Regresso
(Getúlio Cavalcanti)

Falam tanto que meu bloco está
Dando adeus prá nunca mais sair
E depois que ele desfilar
Do seu povo vai se despedir
No regresso de não mais voltar
Suas pastoras vão pedir:
Não deixem não
Que um bloco campeão
Guarde no peito a dor de não cantar
Um bloco a mais
É um sonho que se faz
Nos pastoris da vida singular
É lindo ver, o dia amanhecer
Com violões e pastorinhas mil
Dizendo bem
Que o Recife tem
O carnaval melhor do meu Brasil

Madeira Que Cupim Não Roi
(Capiba)

Madeira do Rosarinho
Vem a cidade sua fama mostrar
E traz com seu pessoal
Seu estandarte tão original
Não vem prá fazer barulho
Vem só dizer, e com satisfação
Queiram ou não queiram os juizes
O nosso bloco é de fato campeão
E se aquí estamos,
Cantando esta canção
Viemos defender
A nossa tradição
E dizer bem alto que a injustiça dói
Nós somos Madeira, de lei,
Que cupim não roi

VOLTEI, RECIFE
( Luiz Bandeira)

Voltei, Recife
Foi a saudade
Que me trouxe pelo braço

Quero ver novamente “Vassoura”
Na rua abafando
Tomar umas e outras
E cair no passo

Cadê “Toureiros”?
Cadê “Bola de Ouro”?
“As Pás”, Os “lenhadores”
O “Bloco Batutas de São José”?

Quero sentir
A embriaguês do frevo
Que entra na cabeça
Depois toma o corpo
E acaba no pé

Hino do Elefante de Olinda

Ao som dos clarins de Momo
O povo aclama com todo ardor,
O Elefante exaltando as suas tradições.
E também seu esplendor.

Olinda, este meu canto
Foi inspirado em teu louvor,
Entre confetes, serpentinas
Venho te oferecer com alegria o meu amor.

Olinda, quero cantar a ti esta canção,
Teus coqueirais, o teu sol, o teu mar,
Faz vibrar meu coração de amor
a sonhar, minha Olinda sem igual,
Salve o teu Carnaval!

É de fazer chorar
(Luiz Bandeira)

É de fazer chorar
Quando dia amanhece e obriga o frevo acabar
O quarta-feira ingrata
Chega tão depressa
Só para contrariar
Quem é de fato, um bom pernambucano
Espera um ano,
e se mete na brincadeira
Esquece tudo, quando cai no frevo
E o melhor da festa,
Chega a quarta-feira

Micróbio do Frevo
( Genival Macedo)

Eu só queria que um dia
O frevo chegasse a dominar
Em todo Brasil
O micróbio do frevo é de amargar
Quando entra no salão
É que o povo prefere para dançar
E cai na dobradiça
Não há quem possa parar

Eu queria que você um dia
Fosse a Pernambuco pra ver
Como é feito o passo
Ao som de uma orquestra pra valer
Empunhamos um chapéu-de-sol
E botamos uma dona de lado
E daí começamos
A fazer o passo rasgado

EVOCAÇÃO Nº 1
(Nelson Ferreira, 1956)

Felinto, Pedro Salgado, Guilherme, Fenelon
Cadê teus blocos famosos
Bloco das Flores, Andaluzas, Pirilampos, Apôs-Fum
Dos carnavais saudosos

Na alta madrugada
O coro entoava
Do bloco a marcha-regresso
E era o sucesso dos tempos ideais
Do velho Raul Moraes
Adeus adeus minha gente
Que já cantamos bastante
E Recife adormecia
Ficava a sonhar
Ao som da triste melodia

Sonhei que estava em Pernambuco
(Clovis Mamede)

Sonhei que estava em Pernambuco
Fiquei maluco
Quando o frevo passou
Mas quando estava no melhor da festa
Ora, esta alguém me despertou

Quando acordei
Ai, Ai
Até chorei
Ai, Ai
Tudo mentira
AI, Ai
O que sonhei
Mas, agora vou brincar
O Frevo eu vou cantar
O Frevo eu vou dançar
Para me controlar