“O céu de Santo Amaro” de Roberto Numeriano, será lançado dia 19/08!

NUMERIANO LANÇA ROMANCE “CÉU DE SANTO AMARO”

O escritor pernambucano Roberto Numeriano lança no dia 19 de agosto, às 17h, na Livraria Jaqueira, nos Aflitos, o romance “Céu de Santo Amaro”, narrativa do gênero fantástico que trata da morte, um tema tabu abordado raramente na literatura brasileira. Ambientada no Recife como um microcosmo de qualquer cidade do mundo, a obra tem como personagens centrais o jardineiro Graciliano, o pedreiro Sebastião, frei João da Cruz, além de três mulheres que, embora nunca nomeadas, são centrais e decisivas na narrativa. De acordo com Numeriano, o romance de 206 páginas é, no fundo, “uma alegoria sobre o morrer e o viver, dimensões da existência que uma visão materialista trata de negar ou mistificar como uma fuga”. Não se trata de filosofar sobre o assunto numa forma romanesca, mas, essencialmente, trata-se de contar uma história onde a morte se ausenta como fenômeno biológico. E em seu lugar começam a nascer túmulos na cidade, em três ondas crescentes (as Pedras do Juízo, as Pedras do Nome e as Pedras da Morte). “Não há nada de místico ou soturno nas histórias. Pelo contrário, há até a presença de muitas crianças como personagens importantes funcionando como uma espécie de contraponto ao terror moral e emocional em um tempo em que ninguém mais morre, porque ninguém mais sabe viver”, explica o autor. Apesar disso, há, sim, entidades (espíritos, anjos, deuses) que direta e indiretamente atuam com e sobre alguns dos personagens, influenciando a ação de Graciliano e Sebastião, trabalhadores de um místico Cemitério de Santo Amaro. O romance “Céu de Santo Amaro” é o terceiro de Numeriano, além de sua segunda obra selecionada pelo Funcultura, da Fundarpe, para publicação de literatura. A tiragem é de mil exemplares, e conta também com a edição em áudio-book para os deficientes visuais, além de gravuras do ilustrador Elio Borba. Todo o projeto foi orçado em R$ 29.909,25, do Funcultura / Fundarpe.

Biografia

Roberto Numeriano é recifense (1962). Graduou-se em Jornalismo pela Unicap. Fez mestrado e doutorado em Ciência Política pela UFPE, e pós-doutorado pela Universidade Nova de Lisboa (UNL), também em Ciência Política. É servidor público federal, professor universitário e compositor. Publicou nove livros (dois dos quais em parceria), nas áreas de Ciência Política e literatura (os romances “Nuvens vermelhas” e “As águas do fim do mundo”). Recebeu prêmios literários do Diário de Pernambuco, Assembleia Legislativa do Paraná e Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), nos gêneros conto e poesia. Em 2014 foi menção honrosa no I Prêmio Literário de Pernambuco. Foi selecionado em concurso literário nacional pela Fundação Biblioteca Nacional (FBN), da qual recebeu uma bolsa para finalização do romance “Nuvens vermelhas”, posteriormente escolhido para edição pelo Funcultura / Fundarpe. Em 2016 foi selecionado pelo Funcultura para a edição do romance histórico “Folhas mortas”.