Conheça o projeto Olinda Tropicana do cantor Alceu Valença.

Conheça o projeto Olinda Tropicana do cantor Alceu Valença.

Um casarão do século XIX com ideias para o século XXI. Localizada no centro da cidade histórica de Olinda, a casa OLINDA ESTAÇÃO DA LUZ pretende atuar como um polo de disseminação da arte, da cultura e do pensamento em nosso país.

Idealizada para funcionar como espaço de co-working vocacionado para startups, abrigar exposições, eventos de gastronomia, promover mostras de filmes, reunir grupos musicais de Pernambuco – tendo à frente o cantor, compositor, escritor e cineasta ALCEU VALENÇA, a casa pretende atuar como espaço de debates e ciclos de palestras, com ênfase em cultura, tecnologia e Economia Criativa, além de representar um núcleo de difusão e reflexão da cultura pernambucana e nordestina.

 

Na primeira etapa de suas atividades, a casa abriga o projeto OLINDA TROPICANA, que inclui quatro ensaios carnavalescos comandados pelo maestro SPOK e convidados nos domingos de fevereiro. No período que se estende até o carnaval, a casa funcionará como receptivo, proporcionando uma experiência diferenciada ao público, com estrutura de bar, área de convivência e lojinha com produtos de artesãos pernambucanos e adereços de carnaval.

 

Num momento em que a cultura brasileira sofre ameaça de dilapidação, e o pensamento parece desvalorizado num ambiente de incertezas, criou-se um nocivo panorama onde sobressaem as manifestações de intolerância. Como forma de resistência, a casa OLINDA ESTAÇÃO DA LUZ propõe a livre circulação de ideias em busca de soluções que passem pela afirmação da cultura e valorização da identidade. Como foco, propõe-se debater os impasses do Brasil, seus aspectos políticos, econômicos, culturais e humanistas, coordenados com a experiência de países da CPLP e do Mercosul.

Nas palavras do filósofo Karl Popper, não se deve “suprimir a expressão de filosofias intolerantes, desde que possamos combatê-las com argumentos racionais e mantê-las em cheque frente à opinião pública”. Popper nos fala do paradoxo da tolerância: “tolerância ilimitada leva ao desaparecimento da tolerância. Se estendermos tolerância ilimitada até mesmo aos intolerantes, se não estivermos preparados para defender a sociedade tolerante contra a investida dos intolerantes, então os tolerantes serão destruídos e a tolerância junto destes”.

O escritor israelense Yuval Noah Harari, em seu best-seller “Sapiens – Uma Breve História da Humanidade” destaca que “durante a primeira metade do século XX, os acadêmicos ensinaram que todas as culturas eram detentoras de uma essência imutável que as definia por toda a eternidade”. Segundo o autor, “hoje, a maioria dos estudiosos de cultura concluiu que, na verdade, acontece o oposto. Cada cultura tem crenças, normas e valores característicos, mas estes estão em transformação constante. A cultura pode se transformar em resposta a mudanças em seu ambiente ou por meio da interação com culturas vizinhas, mas também passa por transições decorrentes de sua própria dinâmica interna. Toda ordem criada pelo homem é cheia de contradições internas. As culturas estão o tempo todo tentando conciliar estas contradições, e este processo alimenta as mudanças”.

Temas e fatores como estes norteiam as intenções da casa Estação da Luz, que já em seu nome propõe uma visão iluminista para as questões de nosso tempo. Entendemos que as transformações proporcionadas pelas atividades culturais, a comunicação e a troca de experiências são elementos essenciais para o exercício da cidadania nos mais diversos setores da sociedade.

A ideia é também envolver a comunidade de Recife e Olinda e revelar novos pensadores em torno de manifestações características da região, seja pela música (oficinas e ensaios de grupos de frevo, maracatu, cirandas, gêneros que constituem o alicerce do carnaval pernambucano); oficinas de artes plásticas, visto que Olinda abriga uma tradição de ateliês de pintura, escultura, cerâmica; oficinas e mostras de cinema, sendo que Pernambuco possui uma das mais ativas cenas do audiovisual brasileiro na atualidade; eventos de gastronomia regional e contemporânea, dentre outras atividades. As ações serão disponibilizadas via streaming na internet através da página e das redes sociais da casa.

Vale ressaltar a atuação do artista e patrono da casa, Alceu Valença, como um dos mais ativos e influentes pensadores da cultura brasileira e nordestina contemporânea aos longos dos últimos 40 anos. Em sua obra musical, literária ou audiovisual, Alceu estabelece um diálogo permanente com as manifestações culturais do país. Sua popularidade e influência legitimam o alcance que a casa pretende abranger em suas atividades diversas. Ou, como afirma em uma de suas canções: “Quem sabe, sabe. Quem não sabe sobra”.