Arte em toda parte é perspectiva de Olhares ao redor, do multiartista pernambucano Carlos Vasconcelos.

Arte em toda parte é perspectiva de Olhares ao redor, do multiartista pernambucano Carlos Vasconcelos.

A riqueza e beleza ao nosso redor são foto de trabalho do multiartista pernambucano Carlos Vasconcelos que aderiu a rede para compartilhar um pouco do seu trabalho no Centro Cultural de Criação, na Boa Vista, e dividir novos olhares da arte com tutoriais exclusivos e com algumas perspectivas de exuberâncias do dia a dia. A natureza e o orgânico no Rio Capibaribe, nos manguezais, na Avenida Beira Rio  se tornam alvo de registro e de produção deste fotógrafo, escultor, desenhista e diretor de arte e criação com um olhar distinto sobre as áreas e sobre a própria arte a partir de nuances naturais, que estão em nossa proximidade e que muitas vezes passam despercebida. ”A Flor de Baobá nas margens do Capibaribe, a exuberância e o calor do sol, os alagamentos nas avenidas, o cheiro de terra molhada, a chuva na água do rio, o azul do céu são belezas indescritíveis que eu observo durante minhas caminhadas nas primeiras horas do dia. Ver o Recife, nublado e quente e a chuva muito benvinda se tornaram uma atração que percebi que poderia e mereceriam ser compartilhadas”, destaca Carlos.

Com isso, essas belezas naturais ganham novas perspectivas em seu olhar com o projeto Olhares ao Redor, que pode ser acompanhado nas redes Instagram (Clique aqui), Facebook (Clique aqui!) e no site (Clique aqui!). “Aproveito as redes para compartilhar registros e vídeos sobre coisas que estão ao nosso redor com novos olhares, ideias e técnicas para que as pessoas, que trabalham ou gostam de arte, possam desenvolver projetos próprios. São pequenas percepções que foram compiladas em pequenos de 20 segundos até cinco minutos, nas quais se pode ter novas óticas sobre o dia a dia”, completa. Entre seus investimentos pessoais estão ainda o trabalho como autor de distintas publicações como “Identidade Oculta” e “Recriando no Alto do Moura” (2009) e “O Galo viaja de metrô” (2005).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *